Redes Sociais
Modelo para todo Brasil
Artigos, Destaques | | julho 31, 2017 em 12:00
A- A+

Olá, republicanos.

É do conhecimento de todos a preocupação dos políticos do PRB em relação à segurança. Não há um estado que esteja imune aos malefícios causados pela violência. No Rio de Janeiro, até o fim de julho, morreram 92 policiais militares. As outras estatísticas provocadas pela violência são acompanhadas diariamente nos noticiários: assaltos a mão armada, homicídios, latrocínios, roubos de carga, tiroteios a qualquer hora, entre outras mazelas.

O prefeito Marcelo Crivella tem cobrado ajuda da União para reforçar a segurança no Rio. Ele teve a iniciativa de criar o Gabinete de Gestão Integrada Municipal para, junto com o Estado, cumprir a missão, definir e pôr em prática ações contra a violência porque a população está no olho do furacão.

Na sexta-feira (28), a tão esperada ajuda do governo federal chegou ao Rio de Janeiro por meio da Operação Especial das Forças de Segurança, um importante passo para a garantia da lei e da ordem.

A demonstração de força envolve: 8.500 militares das Forças Armadas, 620 agentes da Força Nacional e 1.120 agentes da Polícia Rodoviária Federal. Ao todo são 10.240 militares e policiais espalhados. As ações valem para todo o estado, mas o foco principal é a Região Metropolitana. O trabalho estratégico está direcionado a 22 pontos estratégicos no município do Rio, Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo. Cidades do interior, alvo de nossa constante preocupação, eventualmente poderão receber os agentes.

No último domingo (30), o presidente Michel Temer visitou a capital para supervisionar o comando das operações federais no Rio. Ao lado do governador Luiz Fernando Pezão, do prefeito Marcelo Crivella, e de ministros e deputados cariocas, ele afirmou que a ação programada para o período de 28 de julho a 31 de dezembro de 2017 pode ser prorrogada.

Creio que esta é uma excelente notícia para todos os brasileiros, não é possível que a sensação de insegurança amedronte e sitie as pessoas. Estive no Batalhão Geral da Polícia Militar do estado (PMERJ) e conversei com o coronel Danilo no gabinete do comandante-geral da PM, coronel Wolney Dias. Entre as demandas trazidas pelos militares, a falta de estrutura para que desempenhem suas funções, o que ocasiona mortes de policiais em serviço. Conversamos ainda sobre a modernização de meios que auxiliem na prestação de serviços à população.

Afirmo que o que está ocorrendo no Rio é motivo de esperança a todos os brasileiros. Um modelo que deve ser analisado e colocado em prática em outros estados, necessitados no reforço da segurança. É preciso defender a integridade das pessoas, preservar a ordem pública e garantir o funcionamento das instituições, porque a situação é crítica Brasil afora.

A exemplo do que está programado no Rio, precisamos, em todo Brasil, de ações de inteligência pautadas na cooperação com a polícia estadual. Além das operações no Rio, policiais rodoviários federais também intensificarão inspeções em cidades que fazem fronteiras com outros países, entre elas, Cárceres (Mato Grosso), Uruguaiana (Rio Grande do Sul) e Foz do Iguaçu (Paraná). É desta forma que se combaterá o comércio de drogas, a entrada de armas e munição, tráfico de pessoas e de órgãos.

Ficamos felizes com todas estas notícias e esperançosos por todos os brasileiros. Seguiremos lutando, porque, em primeiro lugar, está o direito à vida, o direito de ida e vinda dos cidadãos em todo o país.

Senador Eduardo Lopes
Presidente Nacional do PRB (Interino)

 

Site: http://eduardolopes10.com.br/
Facebook: https://www.facebook.com/eduardolopesprb
Twitter: https://twitter.com/EduardoLopesPRB
Instagram: https://www.instagram.com/eduardolopesprb/

Compartilhe
  • Tweet This!
  • Share on Facebook
  • Digg it!
  • Add to Delicious!
  • Stumble it
  • Subscribe by RSS
Posts Relacionados
Gostou deste artigo? Curta nossa Fanpage no Facebook!

Nenhum comentário Quero comentar!

No comments yet.

Leave a comment


www.eduardolopes10.com.br Copyright © 2014 - Todos os direitos reservados.